July 29, 2020

Please reload

Posts Recentes

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Posts Em Destaque

A Graça de Mayara Magri

April 29, 2011

Texto originalmente publicado no blog Tudo É Dança | O sobrenome de Mayara, a mais nova estrela da dança brasileira em todos os sentidos, vai além do Magri. O complemento: Venerando da Graça faz jus ao que ela vem fazendo com o público nos palcos do mundo. Aos 16 anos, a adolescente que mora na Comunidade do Mata Machado, no Alto da Boa Vista, no Rio de Janeiro, se prepara para voar alto: integrar como aluna a Royal Ballet School, em Londres, a partir de setembro de 2011. “Sempre desejei estudar na Royal, por ser uma companhia grande e muito conhecida, e também porque eles me proporcionaram toda a ajuda de custo necessária para a minha sobrevivência no exterior. Isso é maravilhoso. Era tudo que eu precisava até conseguir me sustentar sozinha”, fala Mayara.

 

A bailarina vai para Londres porque recebeu o primeiro lugar no Prix de Lausanne, na Suíça, além do prêmio de melhor bailarina pelos olhos da plateia, em fevereiro.  O Prix de Lausanne é atualmente o mais importante concurso de dança para jovens e tem como objetivo conceder aos mais talentosos bolsas de estudo nas mais reconhecidas instituições de dança do mundo. No Prix é preciso dançar variações clássicas estipuladas pela organização e aprender coreografias de dança contemporânea durante os dias do concurso. Os alunos também são observados nas aulas pelo júri. 

 

                                                                                                                Foto: Divulgação Stars Dance

                       No pas de deux de Cisne Negro

 

 

A vaga para Lausanne foi garantida no Festival de Dança de Joinville, em julho de 2010, quando Mayara foi eleita a melhor bailarina do festival. “Em Joinville foi o início de um sonho, dançar o grand pas de deux de Cisne Negro foi maravilhoso. Fui recompensada por todo trabalho e foi extremamente gratificante”. Quando Mayara foi para Joinville já tinha Lausanne como foco. “Fui com esse intuito. Joinville seria a ponte para o Prix de Lausanne”, completa. E com a vaga garantida, o trabalho entre setembro de 2010 e fevereiro de 2011 foi intenso. “Eu queria muito ir bem, mostrar aquilo que eu já vinha aprendendo e que o Brasil já conhecia, mas o exterior ainda não. Ter sido reconhecida desta maneira foi uma emoção inexplicável”. Em Lausanne, Mayara dançou a variação do 1º ato de Coppélia (1870), de Arthur Saint-Léon. “É uma variação bem diferente de Cisne Negro. Tive muitos ensaios nas férias, nada de praia, nada de comida liberada. A alimentação teve que ser muito regrada e saudável, mas foi um esforço que valeu muito a pena. A organização do concurso é indescritível e toda a estrutura e o suporte que os bailarinos recebem, perfeitos. O Prix de Lausanne é hoje o maior concurso do mundo em aspectos gerais.”

 

Mesmo com a bolsa garantida para a Royal Ballet, Mayara embarcou para Nova York, em março, para participar de outro importante concurso, o Youth America Grand Prix, que também premia com bolsas de estudo jovens talentos. Como já era esperado, conquistou a todos. Primeiro lugar novamente. “No YAGP interpretei a variação deCisne Negro que era a variação proposta desde o início pelos meus professores para ser trabalhada e dançada durante o ano. A variação foi um presente para mim, afinal, que bailarino nunca sonhou em dançar O Lago dos Cisnes? Apesar de nunca ter tido um balé preferido, porque acho que temos que ser versáteis como bailarinos, tenho um carinho por essa peça e realizei parte do meu sonho”, conta.

 

OLHAR PARA O MUNDO – Mayara sempre gostou de dançar, mas como tem outras duas irmãs, ficava difícil para os pais sustentarem artisticamente as meninas. Foi por intermédio de uma amiga que Mayara conheceu o projeto social Dançar a Vida, da Escola de Dança Petite Danse. “Quando entrei para a Petite Danse, eu e minhas irmãs tivemos total apoio financeiro do projeto, o que foi um alívio para meus pais, já que não tínhamos condições de pagar”, revela. “Quando comecei, não tinha essa vontade de ser profissional de dança. Fazia aulas porque eu gostava. Essa minha visão profissional chegou quando eu fui para a Cia. Petite Danse e comecei a dançar em festivais do Brasil e do exterior, embora a Nelma Darzi, dona da Petite Danse, sempre tivesse dito para minha mãe que eu seria uma grande bailarina.”

 

                                                                                         Foto: Divulgação Prix

                                                           Em Joinville recebendo o prêmio de

                                                           melhor bailarina

 

                                                                               Foto: Divulgação Prix

                                                   Na variação de Coppélia, em

                                                           Lausanne


 

Mayara acredita que tenha se apaixonado por balé por conta dessa mistura entre interpretação e técnica. “Para mim, a carga interpretativa sempre foi o lado mais trabalhoso, pois a técnica nós trabalhamos no dia a dia, em aulas, e a interpretação nem sempre. Por exemplo, interpretei o papel de Giselle (1841), de Jean Coralli e Jules Perrot, ainda muito nova, mas este também foi um trabalho de muito aprendizado, já que aos 14 anos eu teria um personagem tão carregado, emocionalmente falando. Giselle e Odile são personagens completamente diferentes. Ambos muito difíceis e também muito gostosos de fazer. Depois destes papéis que me foram propostos, não consigo viver sem a dança por perto”.

A bailarina tem consciência de que as privações valem a pena. “Penso que tudo que fiz, todo esforço, todas as vezes que deixei de comer um chocolate, todas as vezes que deixei de sair com meus amigos da escola e perdi meus fins de semana e feriados, nada foi em vão. Acredito que tudo tenha dado certo pela disciplina e pela responsabilidade que tive com aquilo que me propus a fazer desde tão jovem. E eu só tenho a agradecer a todos que me ajudaram e me apoiaram, pois não consegui nada disso sozinha”.

 

                                                                                                                  Foto: Divulgação Prix​

                       Ainda em Lausanne: coreografia contemporânea

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga
Procurar por tags