“O” festival

Texto originalmente publicado na Revista de Dança

Dança Joinville, dança o meu coração. A vida é um palco, movimento emoção. As flores da cidade vão dançar com você. Vem para Joinville, nós queremos te ver. Para dançar, dançar, dançar e ser feliz, festival de emoções do meu País.


Você está cantando, não é? Sim, se você já foi para Joinville, ao invés de ler este texto, você acabou de cantar o mais famoso jingle da dança brasileira. Nem é preciso dizer que estou me referindo ao Festival de Dança de Joinville, que em 2012 completa 30 anos e acontece entre os dias 18 e 28 de julho. Repleto de surpresas e, sobretudo, trazendo à tona sua memória por meio de convidados, lançamento de livro, documentário e outras atividades, o festival se renova a cada ano e, com ele, todos nós.


Minha trajetória tem uma longa relação com Joinville. Já fiz contagem regressiva para ir, dormi no alojamento, subi naquele palco e achei que meu coração fosse sair pela boca. Fiz aulas, muitas aulas, de jazz com Roseli Rodrigues, Deborah Bastos… e de musical, quando esse curso ainda nem era tão disputado. Cheguei até a me apresentar no final do curso do Oswald Berry com uma calça jeans rasgada que eu só usei aquele dia! Aprendi a cantar uma música que nunca tinha visto e que sei até hoje. Frequentei aulas no galpão, na Univille, no Bolshoi.


Depois de alguns anos passei para o outro lado da cena. Como crítica de dança, escrevi para o AN Festival por três anos consecutivos, depois voltei como professora de redação crítica, como convidada para lançar o documentário Roseli Rodrigues – Poesia em Movimento, ao lado da Inês Bogéa, e volto este ano como jurada do jazz e do meia-ponta e como codiretora da Revista de Dança, ao lado da Flávia Fontes Oliveira.


Cresci pessoal e profissionalmente com e dentro do Festival. Já se passaram mais de dez anos desde a minha primeira vez. E para não mentir que nunca furei, só não fui em 2010. Morri por dentro tomando um chá amargo e olhando para tela repleta de e-mails do meu computador. Tive que aprender a fazer escolhas. Depois passou (mas demorou).


Sempre fui uma entusiasta dos festivais. Sempre. Independentemente se são competitivos ou mostras, são palcos para bailarinos das escolas se apresentarem. Além de proporcionarem um intercâmbio com pessoas de diferentes lugares, com perspectivas e vontades diferentes, os festivais têm uma função às vezes imperceptível: manter uma coreografia do fim do ano e repertório por mais tempo, dando ao bailarino a chance de deixá-la mais madura e também ao coreógrafo de rever seu trabalho por mais tempo. Não é só uma questão de uma nova apresentação.


Fato é que Joinville tem um cheiro e um sabor inexplicáveis. É “O” festival. E o que a Revista de Dança tem com ele? Nos seus 30 anos e no primeiro ano da Revista de Dança brindamos essa parceria com um estande na Feira da Sapatilha para dividirmos com você leitor muitas informações deste mundo. No Editorial deste mês contamos algumas das coisas que vamos aprontar por lá. Vamos dançar o Brasil juntos, na cidade em que a dança é mais do que um troféu ou uma indicação, é um caminho para que possamos entender a arte que fazemos.


Para ver, ser visto. Para dançar de diversas formas. Para ser. Faltam poucos dias…. Sim, voltei aos tempos de adolescente para ticar as datas no calendário porque a estreia da Revista de Dança nesse grande palco dá frio na barriga.

Posts Em Destaque
Posts em breve
Fique ligado...
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square
  • LinkedIn - Black Circle
  • Instagram - Black Circle
  • Facebook - Black Circle

CONECTE-SE!